Copenhagen, Dinamarca – Pinder Surprise

Quando morei na Itália, há oito anos, convivi com milhares de suecos, inclusive dividia um apartamento com uma que hoje é como uma irmã para mim e já foi me visitar no Brasil e em Berlim. Eu, vergonhosamente, nunca fui visitá-la. Acho que sempre tive uma ideia na cabeça de que a Escandinávia seria um lugar perfeito demais, como a Suíça ou Bruges, e que eu odiaria muito. De qualquer forma, imaginava que o primeiro país que fosse visitar na região fosse a Suécia e não a Dinamarca.

Copenhagen por Roberta Caldas @MundodaRo

Copenhagen por Roberta Caldas @MundodaRo

Tenho uma amiga australiana morando lá há seis meses e ainda não tinha ido visitá-la. Ela já veio três vezes para cá e está indo embora em duas semanas, então resolvi ir e comprei minhas passagens de avião por 60 euros ida e volta e quarenta e cinco minutos depois estava em Copenhagen e… AMEI.

Não é nada como eu imaginava. Nada de perfeição e organização máxima apesar da cidade possuir o maior índice de felicidade do mundo (viu, gente?). As estações de trem são feiosas, mas dentro dos trens e dos ônibus tem internet grátis e no metrô de superfície os assentos parecem sofás. Começou aí o meu amor. E ele só aumentou ao saber da história de resistência do país em relação a perseguição dos judeus na Segunda Guerra. Os habitantes do país conseguiram salvar a maior parte dos judeus doando seus barcos  e tudo que possuíam durante uma noite para enviá-los a Suécia. Os poucos que foram capturados foram resgatados pelo Rei em uma jogada de mestre. Apenas 47 dinamarqueses judeus morreram durante a guerra.

Copenhagen por Roberta Caldas @MundodaRo

Copenhagen por Roberta Caldas @MundodaRo

A cidade cria os maiores designers do mundo e o país ama a sua rainha. Apesar dos preços salgadinhos (ainda assim melhores que Paris ou Londres ao contrário do que muita gente pensa), a qualidade de vida é altíssima e você vê os impostos indo para o lugar certo. Todos falam inglês fluentemente e, diferente de quase toda Europa, não se ofendem se você chegar falando a língua. Pelo contrário, não entendem quem pergunta se eles falam inglês porque naquele mundo isso é a coisa mais óbvia, claro que eles falam inglês!

Bem no centro da cidade há uma outra cidade chamada Cristiania. Cristiania não se considera parte da Dinamarca e seus habitantes não pagam impostos para o governo. Todos ali exercem um papel importante para a pequena sociedade. Em Cristiania é proibido correr e tirar fotos, além disso tudo o que os habitantes da vila hippie que parece um conto de fadas querem é que as pessoas se divirtam.

Copenhagen Rundetårn

Copenhagen Rundetårn

A minha construção favorita na cidade é a Rundetårn, mas há várias jóias para os amantes de arquitetura. À noite você vai encontrar vários bares e clubes noturnos com esquema de bebida grátis em um certo horário ou apenas pagando a entrada e drinks grátis a noite toda. Aproveite!

Booking.com

Sobre

Júnior Gomes

Júnior Gomes é um cearense cabra da peste, que desde 2009 começou a mochilar e já conquistou 19 carimbadas no seu passaporte. Morou no Sul do Chile e sonha em completar os 50 países até os 50 anos. Fundou o blog para ajudar outros viajantes, priorizando dicas de como viajar muito e gastar pouco. Ao lado dos seus amores, Bel (esposa) e Kika (cadelinha), sonha em curtir um sabático pelo mundo.

2 comentários

18 ago2014
Julio

Olá Débora gostaria de saber se é seguro visitar o bairro Trastevere a noite? ..como faço para retornar ao Hotel, existe táxi fácil de se pegar? Abraços.

    27 ago2014
    Debora

    Oi Julio!
    Não tive problemas de locomoção, fiquei perto da estação Termini. Em todos os pontos de ônibus existem placas com os itinerários e horários dos últimos ônibus, e existem ônibus noturnos. Não peguei táxi nenhuma vez em Roma. Tenho certeza que será fácil.

Deixe seu comentário!





*

code