Bolívia – Contrastes, diversão e alguns apuros. Vai encarar? | Parte 1

Convidamos nosso amigo mochileiro Douglas Nunes para compartilhar sua aventura pela Bolívia. Ele topou na hora, escreveu dicas no detalhe da sua trip e vamos postar tudo aqui no DM. Sabemos que essa região é cheia de “pegadinhas” e precisamos está alertas para possível situações fora da curva de nosso planejamento. Então vamos lá, acompanhem os relatos do Douglas na saga boliviana.

_______________________________________________________________________________________________________

COCHABAMBA E SUCRE

Vou compartilhar um pouquinho da minha viagem a estes locais incríveis, os apuros e algumas dicas para esclarecer e facilitar para quem planeja embarcar nessa jornada. Prontos?

Douglas Nunes na Bolívia

Douglas Nunes na Bolívia

A primeira parte do meu mochilão pela Bolívia se inicio em Cochabamba. Cidadezinha bacana com as algumas atrações bem interessantes como o Cristo de La Concordia, Mosteiro de Santa Teresa, e um mercadão que você encontra de tudo, com destaques a equipamentos eletrônicos com preços bem em conta e se passarem por lá, vale dar uma conferida. No região de Prado, existem vários hostels, muitos bares e casas noturnas. Mas voltando ao nosso foco, de lá, segui viagem para Sucre (10 horas de viagem com custo médio de 60 bolivianos no ônibus comum) .

Quando chegar em Sucre, não se assuste com a aparência da entrada da cidade e a desorganização de sua rodoviária. Embora relutante, tive uma ótima primeira impressão logo quando cheguei. Abri meu netbook e começei a surfar na net (wi-fi grátis) numa velocidade respeitável e logo começei a pesquisar as atrações da cidade.

Para quem possui o espirito aventureiro e possui um pouquinho de preparo físico (afinal sucre fica a 2800 metros acima do mar e já é possível sentir bem os efeitos da altitude) é possivel alugar uma bicicleta e passear pelos parques ecológicos que ficam fora da cidade. Outro passeio bem inusitado e recomendado, é a visita ao parque dos dinossauros, O Parque Cretácico. Para ser sincero nunca tinha ouvidofalar até chegar na cidade mas vale a pena. Contam que durante as obras para construção de uma fábrica de cimento, foram encontradas cerca de 5000 pegadas de dinossauros. vale a pena conferir. Outra boa pedida é o Museu Universitário Charcas que fica no centro da cidade.

Parque Cretácico | Photo by Douglas Nunes

Parque Cretácico | Photo by Douglas Nunes

O mercado central merece destaque pelas suas iguarias e diversidade de produtos de todos os gêneros, de sobremesas coloridas a cabritos em pêlo e com o pescoço cortado. Se estiver disposto a encarar a culinária boliviana, no mesanino do mercado existem restaurantes que servem pratos típicos com valores entre 10 e 15 bolivianos. Para aqueles que como eu, tiveram um pouco de dificuldade e se adaptar a culinária boliviana, encontramos a opção do Resturante Shangai (o único) que servia pratos típicos chineses com preços entre 15-20 bolivianos com porções bem servidas e saborosas. Outro lugar bem recomendado é o Restaurante El Plato, onde são servidas empanadas típicas. Uma dica valiosa em Sucre é se ater ao horários. Assim como em outras cidades na Bolívia, o comércio fecha as 12h e só retorna as 14h.

Mercado de Sucre

Mercado de Sucre | Photo by Douglas Nunes

Agora um aviso para o pessoal que gosta de uma cervejinha assim como eu, conheci alguns brasileiros foram repreendidos por policiais por estarem consumindo bebidas alcólicas na rua. Em Sucre o consumo de álcool somente é pertimido dentro de estabelecimentos fechados. Vale a dica para não levar uma bronca. A noite em Sucre geralmente só fica animada a partir de quinta-feira. Existem dois barzinhos mais frequentados (não me lembro o nome) mas em qualquer estabelecimento vão te informar. A cidade é bem tranquila para se andar a noite ao redor da região central sem preocupação mesmo para mulheres.

_______________________________________________________________________________________________________

No próximo post o Douglas vai nos contar como foi sua viagem para Potosí. Inté!

Siga o Douglas Nunes: @douglassnuneshttp://www.facebook.com/douglassnunes

E você, o que achou desse post? Deixe seu comentário!

Para mais dicas de viagem como essa, siga o Diário de Mochileiro no Twitter:


Booking.com

Sobre

Júnior Gomes

Júnior Gomes é um cearense cabra da peste, que desde 2009 começou a mochilar e já conquistou 19 carimbadas no seu passaporte. Morou no Sul do Chile e sonha em completar os 50 países até os 50 anos. Fundou o blog para ajudar outros viajantes, priorizando dicas de como viajar muito e gastar pouco. Ao lado dos seus amores, Bel (esposa) e Kika (cadelinha), sonha em curtir um sabático pelo mundo.

2 comentários

22 jan2015
LORAINE

Oii…Estou querendo fazer um mochilão de 15 dias pela America do Sul…há uns dois anos fiz PERU/BOLIVIA/CHILE.

Agora quero continuar…rsrsrs

Quando mais ou menos você gastou neste dois dias?

Fico no aguardo.

    9 fev2015

    Loraine,
    O custo no Uruguai é próximo ao nosso no Brasil. Nessa viagem gastei em média U$ 80,00 por pessoa/dia.

Deixe seu comentário!





*

code